Guarda flores entre as paginas dos livros achando que quando secarem seus sonhos se realizarão....... desenha flores nas aguas do rio e vê formas nas nuvens que passam..... Não é louca..... apenas não gosta do mundo que vive .Quer sair.....mais sabe que morrera nele.......um dia...... Adriana Martins

Amigos


Invento suas mãos.
imaginando seu  toque em   mim
depois um  dia longo e cansativo.....
Invento a rua que recebe teus passos de manhã.
quando foge  para  sua  outra  vida.......
Invento olhos percebendo o dia que começa.
para  que  possa olhar os  sonhos
 o dia é uma escada branca
onde as pessoas penduram possibilidades:
escolhas de chuva
ou
sol,
vento....
tempestades....
metereologia dos sentidos.
Há no peito garras que arranham,
que fazem   as  feridas não  cicatrizarem
rios de lágrimas
que não secam,
buscas intermináveis.
muita  saudade
e....um  vazio imenso
Invento tréguas para o que dói
e dou ao tempo
a chance de me ver forte ainda.

Numa tapeçaria disforme,
construo personagens,
bordados com  linhas de imaginação
seus lugares,
seus propósitos.........
Mais.....
quando acordo,
sou eu a inventada por eles,
donos absolutos da minha história.
dessa  historia  que  não  inventei   para  mim
mais  que a  vida inventou

2 comentários:

  1. A vida às vezes inventa mesmo as nossas próprias histórias...
    Belíssimo poema, gostei imenso.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. os tapetes que pisamos, as pegadas que cravamos, os inumeros desejos desfeitos feito linhas desfiadas, há inumeros dias, intermináveis costuras e trançados, como os dias amanhecidos bordados em manhãs ainda noturnas, dos dias que nunca amanhecem e noites sempre sonhadas, assim faz uma veste, entre fios e poemas, uma vida.

    ResponderExcluir